Aluna é suspensa após criticar escola que proibiu discutir sexo, gênero e religião em sala


Mãe e filha criticam panfleto da escola e termo de suspensão - Acervo pessoal


Estudante teve matrícula vetada para 2018; mãe e filha não reconhecem punição
RIO — Uma aluna da escola Univest de Lages, em Santa Catarina, foi suspensa por dois dias e teve a matrícula vetada para o próximo ano depois de divulgar e criticar um panfleto da instituição. O ofício anunciava a proibição de ensino de sexo, ideologia de gênero, ativismo LGBT, comunismo, esquerdismo e religião em sala de aula. "2017, a nova idade média. (Pasmem, isso é real)", escreveu a adolescente de 17 anos nas redes sociais.

No dia seguinte à publicação, que recebeu mais de 523 compartilhamentos até a tarde desta quinta-feira, a jovem foi chamada à coordenação da escola e avisada de que seria sancionada por "denegrir a imagem do colégio nas redes sociais". Uma amiga também sofreu penalidades e teve a bolsa de estudos cortada.

— Os alunos estavam comentando e compartilhando. Na quarta-feira de manhã, eu e mais uma aluna (que comentou na postagem) recebemos suspensões por denegrir a imagem do colégio. Eles falaram que era errado a gente expor o colégio. Eu não reconheço essa suspensão, porque ela é sem sentido. Minha mãe também não. Ela ficou indignada. Isso desencoraja os alunos a exporem sua opinião. Um ato de retrocesso — destacou a estudante.

FAMÍLIA COGITA ACIONAR JUSTIÇA
A jovem explicou que o ofício foi entregue em sala durante uma aula como um "recado a alunos e pais" e considerou uma surpresa ver a instituição proibir os temas. No bimestre passado, a classe aprendeu sobre as diversas religiões, por exemplo, segundo ela. Proibida de renovar a matrícula em 2018, a adolescente pensa em trocar de escola.

Mãe da estudante, a fisioterapeuta Fabiana Cruz relatou a surpresa em ler o recado, enviado pela filha por mensagem. As duas discordavam do conteúdo por considerar que são temas atuais e que os alunos precisam desenvolver senso crítico. A adolescente revelou à mãe o desejo de rebater o ofício nas redes sociais. Fabiana alertou que haveria uma consequência. Ainda assim, ela conta que não imaginou a proporção das penalidades impostas à estudante.

— Quando ela me passou a foto do panfleto, não acreditei que era da escola. Falei que era incabível para a época de hoje, são temas que estão aí. Não iremos matriculá-la (no próximo ano) porque é inadmissível. É para podar todo mundo. Somos totalmente contra, estamos pensando em entrar com uma ação. Ela está perdendo aula. Amanhã vou fazê-la ir à escola, vou entrar com ela na sala de aula — frisou Fabiana.

Procurado, Giovani Broering, o reitor do Centro Universitário Facvest — ao qual a Univest fica submetida — ficou de retornar aos contatos da reportagem, mas ainda não o fez. Ao Diário Catariense, ele argumentou que "toda ação tem uma consequência".

Com informações oglobo

Jovem faz cirurgias plásticas para ficar “parecido com Jesus”

Carpinteiro já gastou mais de RS$ 600 mil, mas ainda não está satisfeito
Há pessoas que desejam tanto ser parecidas com os famosos que às vezes fazem cirurgias plásticas para ficarem semelhantes a seus ídolos.

Contudo, um homem de 30 anos, morador do Kentucky, nos Estados Unidos, levou isso ao um extremo. Mark Emery gastou mais de 200 mil dólares (cerca de 600 mil) para realizar esse “sonho”.

Afirmando ser um seguidor de Jesus há muitos anos, Mark trabalha como carpinteiro. Há alguns anos, dedica boa parte de seu tempo a estudar os ensinamentos de Cristo, e principalmente a lei judaica do Antigo Testamento.

Em sua jornada para mudar a fisionomia, ele gastou cerca de 215 mil dólares com 21 cirurgias plásticas. Mesmo assim, Mark diz não estar totalmente satisfeito com os resultados.

Para ele, essa é uma maneira de mostrar seu amor a Jesus. Porém, ele não sabe explicar exatamente como seria o rosto de Jesus. A Bíblia não descreve a fisionomia de Cristo, por isso a opção dele foi usar as imagens que ficaram conhecidas em pinturas e no cinema.

Obviamente, muitos criticam comportamento de Mark, afirmando que essa é uma forma de zombar da fé cristã. O pastor John Hagee comentou o caso, defendendo que as pessoas que amam a Cristo e seguem seus ensinamentos não ficam tentando se parecer [fisicamente] com ele. Para o pastor, Mark deveria se envergonhar do que faz, pois essa é uma atitude anticristã.

Apesar dessa e de outras críticas, Mark diz que está feliz com sua decisão e irá continuar com as plásticas, pois assim sente-se “mais perto de Jesus”. 

Com informações World News Daily

Milhares de pessoas vão às ruas em favor da família

Ato, apoiado pela comunidade cristã, chamou a atenção das autoridades maranhenses para a importância dos valores familiares
Em meio às comemorações do Dia das Crianças, milhares de pessoas se uniram em São Luiz, Maranhão, para a 2ª Caminhada da Família. Partindo da praça do Pescador, a causa percorreu toda a extensão da Avenida Litorânea, na tarde do dia 12.

Organizado pelo Movimento Pró-Família de São Luís, o ato contou com carros de som, faixas e cartazes com o intuito de chamar a atenção das autoridades para a necessidade de proteger as famílias, sobretudo as crianças, das investidas proporcionadas por ideologias contrárias ao padrão bíblico e constitucional da composição familiar.

“Trouxemos nossas famílias porque queremos chamar a atenção das autoridades e da população maranhense que infelizmente está deixando de cuidar das famílias e das crianças também”, declara a pedagoga Samia da Silva, participante da caminhada.

A 2ª Caminhada da Família orou e protestou contra a ideologia de gênero nas escolas; a erotização infantil; a pedofilia; a pornografia disfarçada em livros e revistas infantis; o bullying dentro das unidades escolares; a violências físicas e psicológicas; e pela censura de idade em programas de TV.

“A população precisa se unir para estabelecer de uma vez por todas o princípio básico que rege a estrutura familiar: o amor e o respeito, pois desta forma, os valores que Jesus nos ensinou serão propagados”, finaliza Samia. 

Com informações O Estado

Nick Vujici testemunha 400.000 conversões na Ucrânia

O evangelista Nick Vujicic, que nasceu sem braços nem pernas, disse que sua equipe testemunhou cerca de 400 mil pessoas se arrependendo publicamente de seus pecados e decidindo seguir Jesus Cristo em um evento recente na Ucrânia. Essa foi a maior resposta que seu ministério já viu.

“O maior evento que a equipe da Life Without Limbs já viu e talvez o maior evento da Europa: foram 800 mil pessoas nas ruas de Kiev, Ucrânia! Obrigado, Deus”, escreveu Vujicic no Facebook na terça-feira.

“400.000 se arrependeram de seus pecados e começaram sua jornada espiritual com Jesus – Agora comemoramos o testemunho de 1 milhão de decisões de pessoas que irão caminhar e confiar em Deus em tudo”, acrescentou.

Vujicic é famoso por seu testemunho de vida. Ele nasceu com uma grave deformidade, mas já fez centenas de palestras ao redor do mundo convidando pessoas para seguirem a Cristo.

Ele esteve na Ucrânia em setembro, onde fez cruzadas durante vários dias.Também fez uma parada na Rússia durante sua mais recente viagem.

“Infelizmente, não consegui encontrar o presidente nesta viagem, mas continuamos a plantar sementes de amor e esperança em todo este país até algumas portas sejam abertas para compartilharmos o evangelho- obrigado pelo seu apoio”, escreveu ele.

Os evangélicos ucranianos vêm realizando vários grandes eventos na Ucrânia. Mês passado, mais de 500 mil deles chegaram às ruas de Kiev para celebrar o 500º aniversário da Reforma Protestante.

Sergey Rakhuba, da Missão Eurasia, disse que a Igreja ucraniana vem enfrentando grandes desafios por cauda do conflito armado entre a Rússia e a Ucrânia. 

Com informações de Christian Post

Conselheiro tutelar denuncia ao MP drag queen em escola

Segundo ele, é proibido fazer apologia a ideologia de gênero para crianças
Um vídeo postado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) causou polêmica nas redes sociais e tomou proporções além do mundo digital. No dia 11 de outubro foi ao ar, no canal da universidade no YouTube, um vídeo em homenagem ao Dia das Crianças chamado “Na hora do lanche”, nele a Drag Queen Femmenino (Nino de Barros), entrevista algumas crianças do Colégio de Aplicação João XVIII.

Em certo momento do vídeo Femmenino diz às crianças que não existem coisas de menino e coisas de menina. A frase gerou revolta nas redes sociais, ao ponto do Conselho Tutelar de Juiz de Fora denunciar o vídeo ao Ministério Público da cidade.

Abraão Fernandes, representante do conselho tutelar da cidade e autor da denuncia, alega que o vídeo contraria uma lei municipal e fere o direito da criança e adolescente. Segundo Abraão, o incentivo a ideologia de gênero é proibido em Juiz de Fora.

“A nova lei votada e aprovada na nossa câmera de Vereadores, restringe a diversidade apenas entre o comprometimento físico e mental, portanto não se pode falar de gênero em nenhuma escola da nossa cidade”, comenta Abraão

O representante aponta ainda que os artigos 4 e 22 do Eca são feridos quando Femmenino orienta as crianças a brincarem com o que quiserem. De acordo com os textos da lei, cabe aos pais e não ao Estado a educação da criança devendo ser resguardado o direito de transmissão familiar de suas crenças e culturas.

Por sua vez, Nino de Barros não acredita ter ofendido as crianças e que a postura das pessoas em relação ao vídeo, sim é ofensiva.

“A minha geração e a passada cresceu com menina brincando de boneca e casinha e os meninos de carrinho e super-herói. Ela vai crescer e virar uma mulher que não vão acreditar que tem super poderes e que vai ter cuidar da casa e dos filhos. Eu digo: não! O homem, a mulher as crianças tem o poder de escolher o que quiserem”, declara o artista.

A UFJF disse, em nota, que o C.A. João XVIII desenvolve, em seu projeto pedagógico, atividades para garantir ao aluno autonomia dentro de uma sociedade justa e democrática. 

Com informações G1


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...